COP15: Conturbado lá e aqui.

A organização do COP15 – o ‘fórum mundial ambiental’ – tem sido conturbada. Repleta de divergências e desacordos de quem fala literalmente línguas diferentes e não consegue se entender. Boa parte, alias, não pretende se entender.

A delegação brasileira, seguindo a tendência mundial, se guia internamente na mesma direção, totalmente conflituosa. Seja isso por excesso de egos ou por pura incompetência.

No resumo da ópera, Dilma quer aparecer mais que todos e não deixa que  Minc – o ministro do meio ambiente – tenha voz. Quando teve, alias, Dilma afirmou que não tinha ‘nada a ver‘.

Ainda ela, a Dilma, com todo o seu conhecimento sobre o tema, afirmou em palestra para governantes e ambientalistas que “o meio ambiente é um obstáculo ao desenvolvimento sustentável“. Bem como os governistas o são para um bom governo, Ministra?

Marina Silva, pré-candidata a presidência pelo Partido Verde que participa como penetra sem direito a voz nem voto, deu a idéia de que o Brasil investisse R$1 bilhão na causa ambiental mundial. Dilma, sempre ela, respondeu dizendo que um investimento ‘pequeno’ seria na ordem de R$150 bilhões.

Falam nestas cifras como se estivesse sobrando dinheiro no Brasil. Como se não tivéssemos problemas econômicos e como se uma contribuição deste peso para o COP15 vá resolver os problemas ambientais brasileiros.

Se esquecem que o tão falado pré-sal é altamente poluente. Se esquecem que esta nova energia, ‘salvadora da pátria’, tem feito com que o Governo deixe os biocombustíveis de lado. Se esquecem do projeto de transposição do Rio São Francisco, do maquinário sujo e antiquado de nossas fábricas, da falta de saneamento básico e de todos os demais problemas, aqui da nossa casa, que não recebem nem um décimo desse valor.

Alias, se esquecem ainda de fazer uma importante pergunta: quem está financiando a viagem eleitoreira da Marina Silva? Tomara que não sejam os cofres públicos. Tomara…

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/10 (0 votes cast)