DEM, PSDB e LIBER: Um início para ficar na memória

Tivemos ontem, 3 de fevereiro, um encontro que com toda a certeza vai ficar na memória de todos aqueles que participaram. Foi relativamente pequeno, estávamos em 20, mas representávamos forças que vem ganhando cada vez mais destaque no cenário político jovem de Minas Gerais.

Estamos nós, os liberais da Juventude Democratas, os sociais democratas da Juventude Tucana e os anarco-capitalistas do Libertários. Todos sentados frente a frente em um círculo de debates, na sede do Democratas em Belo Horizonte, que durou quase três horas e ainda assim deixou um gostinho de ‘quero mais’.

Iniciamos por um bate-papo informal que já mostrou o que teríamos pela frente quando um debate sobre o conceito de ‘liberdade’ introduziu aquilo que viria a ser não só uma construção pragmática para o futuro eleitoral do estado – como programado – mas, principalmente, uma agregação fantástica ao conhecimento político de cada participante.

Apresentamo-nos todos, em falas médias de um minuto por pessoa e, logo então, propusemos que cada partido apresentasse sua linha ideológica. Esta foi a parte mais ‘quente’ das discussões.

Adriano, presidente da Juventude Tucana no estado, apresentou o PSDB como um partido pragmático que visa o poder com a finalidade de exercer por meio do Estado a social-democracia que, segundo ele, é quando o Estado não é mínimo nem máximo e tem, em um meio termo, o dever de ajudar o cidadão que dele necessita. Ilustrou a questão, com o auxílio de seus colegas, por meio do exemplar Governo Aécio Neves.

Carlos Magno, do Libertários, explicou que em seu partido haviam duas grandes correntes: os anarco-capitalistas e os minarquistas. O ponto em comum, segundo ele, era de que todos eram contra a violência e a favor da liberdade. Um exemplo claro seria a questão da constituição, o Contrato Social de Rousseau, o qual eles consideram uma agressão do Estado ao individuo por obrigá-lo a seguir algo que ele não assinou.

Por fim, após uma série de debates que se seguiram tanto após a apresentação do PSDB como do LIBER, apresentei a história do Democratas a qual, sob minha concepção, teve seu grupo político unificado pela primeira vez no Partido Republicano, fundado em 1873 e precursor da primeira constituição brasileira sob a forma de república. Relatei os avanços dos liberais no Brasil levantando casos como a oposição de Carlos Lacerda à construção de Brasília e a composição da Frente Parlamentar Liberal para eleger Tancredo Neves como primeiro brasileiro civil após o regime militar.

Hoje, o grande exemplo do Democratas viria pelo fato de que temos hoje a bancada mais jovem da Câmara Federal e que, como era exatamente o caso daquele debate, tínhamos em nossas ações a marca da democracia.

Apresentei, por fim, o amigo Marcelo Mota como novo vice-presidente estadual da Juventude Democratas para a região metropolitana e acordamos três grupos de trabalho para levar a frente ações conjuntas entre nós, Democratas, os Tucanos e os Libertários.

O encontro foi um sucesso e, com toda a certeza, o primeiro de muitos.

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/10 (0 votes cast)

1 thought on “DEM, PSDB e LIBER: Um início para ficar na memória”

Comments are closed.