A vez do mercado

(Publicado também pelo Instituto Millenium)

A teoria econômica mostra, e a história latino americana comprova, que quanto maior é o tamanho do Estado, maiores são a corrupção, o abuso de poder, os impostos e a ineficiência dos serviços básicos prestados à população – como a tríade clichê de educação, saúde e segurança.

Foi o caso de Cuba, onde a ciência avançava na medicina enquanto pobreza e falta de direitos humanos se tornavam a constante da ilha; é o dia-a-dia da Venezuela onde, embora inundada por mais e mais petrodólares, a população passa fome e tem acesso restrito à informação; acontece na Bolívia, onde o caricato presidente Evo Morales afunda seu país em crises consecutivas; e foi a realidade do Brasil militar onde, após o milagre econômico, a crise só teve fim no início das privatizações – hoje adotadas até mesmo pelo governo de esquerda da presidente Dilma.

Percebeu-se que o governo deve fazer política, deliberando a gestão de serviços – em concorrência, claro – para aquele que existe exclusivamente para suprir as demandas do mercado: o setor privado.

A Prefeitura de Belo Horizonte entendeu o recado e, como retrata matéria publicada no jornal Estado de Minas, começou a fazer o dever de casa.

Prometeu lançar parcerias público-privadas – as famosas PPPs – para construir e gerir escolas de educação infantil e postos de saúde no município. A iniciativa faz parte de um processo de renovação da administração pública que teve início em parceria firmada para desenvolver o Hospital do Barreiro – hoje em construção.

A intenção do novo projeto é que, mediante um investimento público a ser determinado, empresas privadas participariam de uma licitação onde as vencedoras seriam responsáveis pela construção e manutenção dos estabelecimentos, cedendo o empreendimento ao governo da capital mineira após 20 anos de gestão.

Com o avanço do projeto, o prefeito Márcio Lacerda, do dito socialista PSB, mostra que eficiência pública não tem partido e que, após as experiências fracassadas do populismo latino, chegou à hora de acreditar na teoria liberal da iniciativa privada, dando vez ao mercado e à concorrência.

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (2 votes cast)

Democratas, Tucanos e Libertários por Minas Gerais

Acabo de chegar em Lavras retornando de viagem feita à Belo Horizonte para participar do Seminário de Formação Política da Fundação Konrad Adenauer, organização alemã que trabalha disseminando seus ideais democráticos pelo mundo.

O convite, que fiz questão de aceitar, partiu do recém empossado presidente da Juventude Tucana, Adriano de Faria, que tive o prazer de conhecer pessoalmente no evento. Ele, pessoa singular de absurda liderança e senso de humor, é a cara da renovação do PSDB. Alias, bem como é também o Gabriel de Azevedo, que também estava lá e ainda mencionou sua ‘saga’ contra o deputado dr. Rosinha.

No evento pude observar discussões fantásticas das mais diversas áreas do cenário político e ainda tive o prazer de moderar palestra do professor Leonardo Avritzer, orador e acadêmico fantástico do Departamento de Ciência Política da UFMG com diversas publicações no Brasil e Estados Unidos.

O seminário foi singular e não só pela excelente formação oferecida – ainda que fosse em cima da Social Democracia, modelo que não costumo seguir.

O seu grande marco foram os avanços políticos: estivemos nós, da Juventude Democratas, em contato direto com a Juventude Tucana e os Libertários – sobre os quais escreverei em breve. Somos grupos com idéias diferentes mas temos nossas semelhanças que garantirão, com toda certeza, fortes trabalhos conjuntos nos meses que se seguirão.

Aguardem as novidades, galera! Elas serão positivas e não serão poucas!

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/10 (0 votes cast)